POLÍTICA ▸ DEFESA

Botelho é meu aliado e tem direito à defesa, diz Pedro Taques

O governador Pedro Taques (PSDB) preferiu não polemizar em torno da Operação Bereré, cujos alvos nesta segunda-feira (19) foram o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), e o deputado estadual Mauro Savi (PSB). Taques fez questão de reafirmar a aliança com o chefe do Legislativo e disse que Botelho tem direito a se defender.

“Botelho é meu amigo e aliado e não tenho vergonha disso. Vou ligar para ele e perguntar o que ocorreu”, disse o governador.

Tanto Botelho, quanto Savi, foram alvos de mandados de busca e apreensão do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que vasculhou a Presidência da Assembleia e o gabinete de Savi, assim como as casas dos dois parlamentares. Também são alvos o ex-deputado federal Pedro Henry, de servidores públicos, empresas e particulares.

“Não vou julgar o Botelho por essa busca e apreensão. Isso será investigado e temos que dar a ele o direito à ampla defesa e contraditório. Se não fosse dessa forma, não viveríamos em uma democracia”, declarou Taques.

Operação Bereré

A operação é resultado da delação do ex-presidente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MT), Teodoro Lopes, o Dóia. Os policiais investigam supostos desvios cometidos no Detran.

As investigações tiveram início na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Defaz), sendo que as medidas cautelares foram requeridas pelo Naco Criminal (Núcleo de Ações de Competência Originária) do Ministério Público Estadual e estão sendo cumpridas em Cuiabá, Sorriso e Brasília (DF), pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) e Polícia Judiciária Civil, com apoio da Polícia Militar, por meio do Bope.

A operação tem por objetivo desmantelar uma organização criminosa, que atuava junto ao Detran urdida para desvios de recursos públicos.

Uma das empresas investigadas pelo Gaeco é a EIG Mercados Ltda., antiga FDL Serviço de Registro, Cadastro, Informatização de Documentos Ltda., que venceu uma licitação, em 2009, para prestar serviços de registro de financiamentos de contratos de veículos, por um período de vinte anos.

Atualmente, a empresa recebe R$ 36 milhões por ano para a prestação de serviços à autarquia.

Comentários