POLÍTICA ▸ DELAÇÃO

Deputado garante que foi gravado recebendo dívida pessoal de Silval

O deputado federal Ezequiel Fonseca (PP) rebateu nesta segunda-feira as acusações feitas pelo ex-governador Silval Barbosa (sem partido), de que ele teria recebido "mensalinho" e propinas referentes ao programa MT Integrado, quando era deputado estadual entre 2010 e 2014. O presidente estadual do Partido Progressista Progressista aparece em um vídeo, que faz parte da colaboração premiada do ex-chefe do executivo estadual, recebendo dinheiro do ex-chefe de gabinete de Silval, Silvio Cezar Correa, dentro do palácio Paiaguás no ano de 2013.

Segundo Ezequiel, o dinheiro seria de uma dívida que o ex-governador teria com ele. “Ele terá que provar tudo isso mostrando que esse dinheiro é de mensalinho, como ele falou. Não era propina. O Silval tinha contas a pagar. Acho que mesmo ele como governador, não o isenta de pagar contas”, disse o deputado federal.

O parlamentar foi citado na delação premiada feita por Silval Barbosa junto a Procuradoria Geral da República (PGR) e homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-governador afirmou que Fonseca e outros deputados teriam o extorquido.

Segundo Silval, os parlamentares o ameaçavam em não aprovar projetos do Governo na Assembleia Legislativa. “Ele terá que continuar se afirmando, caso contrário ficará ruim para ele. Vai falar por muitas vezes isso até porque um processo não termina assim de uma hora para a outra. Silval vai falar, da forma que ele entende, e nós vamos procurar juridicamente nos defender”, completou.

Silval Barbosa ficou preso por quase dois anos em decorrência da "Operação Sodoma". Após fazer um acordo para devolver cerca de R$ 80 milhões conjuntamente com familiares e Sílvio, ele cumpre prisão domiciliar num apartamento no bairro Jardim das Américas, em Cuiabá.

Comentários