Ex-PM é condenado a 6 anos de prisão por roubos a banco em MT

O ex-policial militar Vail da Silva Abreu foi condenado a mais de 6 anos e 8 meses de prisão acusado de integrar quadrilha que praticava assalto a bancos e a veículos de transporte de valores, em Mato Grosso. A decisão é do juiz Marcos Faleiros da Silva, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, que também condenou de outras cinco pessoas. Outros quatros homens que havia sido preso por envolvimento nos roubos foram absolvidos. 

Em abril de 2017, o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou a Operação Conciliábulo e prendeu nove pessoas, integrante de uma quadrilha fortemente perigosa que executava ataques a empresas de transportes de valores e agências bancárias.

Ex-policial militar, Vail da Silva Abreu foi apontado como um dos líderes do grupo criminoso, ao lado de Paulo Cézar da Silva, integrante do Comando Vermelho. “Condeno Vail da Silva Abreu, pela prática do crime previsto no art. 2º, §2º, da Lei 12.850/13, sujeitando-o à pena privativa de liberdade de 06 (seis) anos e 08 (oito) meses de reclusão e multa de 46 (quarenta e seis) dias-multa, em regime inicial fechado”, diz treco da decisão.

Além de Vail, foram condenados a seis anos em regime fechado, Wanderson Santos Marçal Sales e Paulo Roberto Leal, considerados de alta periculosidade. Já os acusados Vanderlei da Silva Abreu, Marcos Roberto Alves e Ana Lúcia Pereira de Arruda foram condenados a seis anos de regime semiaberto, com a utilização de tornozeleira eletrônica.

O magistrado absolveu Alex Macedo de Oliveira, Valdeir Pontes do Nascimento, Cerilo Pinto de França, Paulo Cezar da Silva e Jone Antônio Ferreira.  Os réus podem recorrer a decisão na Justiça. 

CONCILIÁBULO

O Gaeco iniciou a investigação em novembro de 2016 quando recebeu uma denuncia de que um grupo criminoso atuava e panejava um ataque a uma empresa de transporte de valores e agências bancárias.

As investigações e a deflagração da operação foram realizadas por meio de ação conjunta entre Gaeco e Polícia Militar do Estado de Mato Grosso. O nome da operação Conciliábulo significa reunião secreta de pessoas suspeitas de maus desígnios.

Comentários