CIDADES ▸ DADOS

Dados diz que acidentes de trânsito matam um por dia em todo o Mato Grosso

Em média uma pessoa morre por dia no trânsito de Mato Grosso. Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), confirmam que, neste ano, 355 pessoas perderam a vida em acidentes de trânsito no Estado. O número de lesão corporal culposa no trânsito alcança 4.532 registros. Em Cuiabá, neste ano, 49 pessoas perderam a vida em acidentes, já em Várzea Grande o número chega a 31. Neste domingo (17), é comemorado o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito. Para os familiares de vítimas no trânsito, leis mais duras e celeridade nos julgamentos são avanços necessários para o fim da impunidade e, consequentemente, para a redução dos casos.

 

Rosinéia Guimarães é uma das mães que ainda luta pela justiça e pelo fim de um ciclo, com a condenação do acusado do atropelamento e morte dos dois filhos em Poconé no ano de 2007. Katherine Louise Guimarães Bittencourtt e Diego Guimarães Bittencourt foram atropelados em frente a casa onde moravam. Eles estavam parados em uma motocicleta e voltavam de um almoço com o pai. O motorista Celzair Ferreira de Santana, além de dirigir em alta velocidade, estaria embriagado. Ele estaria a 134 km/h e, após a colisão, a caminhonete que atingiu as vítimas só teria parado quando colidiu com um poste de iluminação pública.   

Celzair foi pronunciado a júri e por três vezes conseguiu protelar o julgamento. A data do júri está agendada para 2 de abril de 2020, e caso falte, Celzair pode ser preso frente as tentativas de adiamento. “O que espero deste processo é Justiça. É um ciclo que não se fechou, estou sem direção e sem estímulo para viver. Hoje as pessoas não mais acreditam em justiça, elas acham que podem fazer o que quiser e fica por isso mesmo. É preciso que haja punição, independente de quem seja o infrator ou do tamanho da infração”, ressalta.  

A mãe das vítimas reforça a necessidade de seriedade e celeridade nos casos de acidentes de trânsito. Hoje ela define a mudança do trânsito com uma mensagem que era dita pelo filho morto. Diego enfatizava a necessidade de um mundo com mais amor e união. “Não consigo entender onde estão os direitos humanos. Fica de braços cruzados sabendo dessa angústia desse sofrimento moral , dá uma sensação de impotência e fere a dignidade da pessoa humana. E inadmissível uma mãe passar por isso”, diz.  

Presidente da Associação dos Familiares Vítimas de Violência, Heitor Reyes é pai do estudante Alexandre Andrade Reyes, que foi morto em maio de 2008 em São Paulo, numa discussão no trânsito. O assassino, Ismael Vieira da Silva, foi condenado a 21 anos de prisão e 4 meses, por homicídio qualificado, por motivo fútil e porte ilegal de arma.   

“Nossa luta diária é por legislação mais rígida e maior fiscalização, se não houver mudanças, a tendência é que morram mais pessoas no trânsito. O que vemos são vários casos que sequer foram julgados”, diz.  

Reyes reforça que os altos números de mortes no trânsito está diretamente ligado aos fatores como impunidade pela demora do julgamento dos casos. Além da combinação de bebida e volante e o fato de motoristas que andam armados. “É necessária está conscientização no trânsito, colocar as pessoas em primeiro plano”, reforça.  

Dia Mundial  

Instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas, o terceiro domingo de novembro marca o Dia Mundial em Memória das Vítimas de Trânsito. Este ano, a data será lembrada em 17 de novembro. De acordo com a ONU, os acidentes de trânsito matam 1,25 milhão de pessoas por ano em todo o mundo. O número de feridos varia entre 30 e 50 milhões de pessoas. Brasil, China e Índia respondem por 40% das mortes globais de acidentes devido ao tamanho da população e à taxa de motorização.  

Comentários