POLÍCIA ▸ TARADO

Empresário põe jovem em cima de mesa e tenta forçar sexo em Mato Grosso

Um vídeo do circuito interno de segurança da empresa de Claudinei Panta da Silva, de 45 anos, mostram os momentos em que uma jovem de 18 anos foi assediada durante uma entrevista de emprego. O empresário alegou para a Polícia que as câmeras de segurança estavam desligadas.

No depoimento dado para a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Claudinei disse que não atendeu a jovem sozinho, mas que outras pessoas estavam com ele no momento. As imagens desmentem a versão, já que é possível ver o empresário sozinho com a jovem e a todo momento tentando acariciar o corpo da vítima.

No painel na câmera de segurança é possível ver ainda a data e o horário do ocorrido. A jovem foi participar da entrevista de emprego na terça-feira (27), às 19h11, após o expediente do estabelecimento.

O vídeo mostra todo o momento da entrevista. Claudinei “cerca” a jovem e passa a mão em algumas tatuagens dela. Em certo momento, a garota aparece sentada no balcão e o empresário fica na sua frente, e passa a mão na sua perna.

As imagens também confirmam a versão da vítima, em que o homem pediu para que ela colocasse o uniforme da empresa, e que andasse para ele avaliá-la.

O vídeo não tem áudio, mas a jovem disse para a Polícia que Claudinei propôs um teste com ela e que cada pergunta que ela errasse teria que tirar uma peça de roupa.

O empresário foi preso em flagrante na noite de terça-feira (27) após a denúncia da vítima, mas foi liberado na quarta-feira (28), após o juiz Jamilson Haddad Campos, da 1ª Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, entender que não havia indícios suficientes para que a prisão preventiva seja decretada.

Claudinei já foi denunciado pelo mesmo crime em 2009, por outro jovem que foi em busca de emprego. O processo tramita até hoje.

Claudinei Panta da Silva segue sendo investigado pela Polícia Civil. Os vídeos foram divulgados pelo site FolhaMax. A Delegacia da Mulher deve analisar as imagens e pedir novas medidas contra o estuprador. 

Comentários