ESPORTES ▸ VOLEI

Zé Roberto prevê baixas na formação de equipe para as Olimpíadas: Duas querem ser mães

Único tricampeão olímpico do esporte brasileiro, o técnico da seleção brasileira feminina de vôlei José Roberto Guimarães afirmou em uma live organizada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), nesta quarta-feira, que lamentou o adiamento das Olimpíadas de Tóquio de 2020 para 2021, principalmente porque duas de suas jogadoras mais importantes na equipe nacional planejavam ser mamães após o megaevento - ele não as citou nominalmente.

Nesta quarta ocorreu a marca exata de três meses do adiamento dos Jogos. A central bicampeã olímpica Fabiana (também conhecida como Fabizona) e a ponteira Fernanda Garay haviam manifestado ao treinador e até mesmo publicamente que desejam engravidar depois da participação em Tóquio. As duas atuaram pela seleção nas Olimpíadas de 2012 e 2016.

- Esse fato de ter atrasado em um ano os Jogos Olímpicos, no feminino, a gente teve alguns problemas. E o maior problema é que duas jogadoras do meu time, que eu estava esperando contar, tinham se programado para se tornarem mamães. E aí é uma coisa muito série, porque quando a gente fala "ah, é um ano", "espera um aninho", mas a realidade não é assim porque é um ciclo de quatro anos. Ela já se programou com alguns anos de antecedência, com o marido, com a família, e é mais um ano. Então, eu não sei se a gente vai ter algumas baixas. Estamos conversando, estamos analisando com essas jogadoras. Elas estão ponderando para ver o que vai acontecer nas vidas delas, mas não é uma decisão muito fácil. Até porque no feminino quando as jogadores chegam na faixa etária de 30, 32 anos elas pensam em constituir uma família. É diferente do masculino. É um risco que a gente corre - disse Zé Roberto.

O multicampeão observou, porém, que mesmo com eventuais baixas o Brasil tem muita condição de lutar por medalhas na Olimpíada do próximo ano.

Comentários